quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

O Morro dos Ventos Uivantes

Eu já adiantei aqui no blog que esse livro me deixou meio prá baixo, meio tristonha. Olha, vou falar... eu esperava uma história de amor arrebatadora, com cenas de paixão e juras de amor em todas as páginas, e me decepcionei bastante nesse sentido. Lógico que tem amor, mas está longe de ser um livro romântico, está mais prá um livro amargurado, isso sim!

Eu sempre tive interesse em ler esse livro, e confesso que fiquei ainda mais, porque durante a leitura da saga Crepúsculo a Bela cita "O Morro..." e os personagens em vários trechos. Como eu gosto muito da Bela, resolvi ler de uma vez o tal livro (influenciável!) prá ver qual era - mas eu dispensava esse lembrete cafona na capa: "O LIVRO PREFERIDO DE BELLA E EDWARD", hahahaha, que brega!

O livro fala sobre a vida de duas famílias em duas propriedades próximas: a Granja dos Tordos e o Morro dos Ventos Uivantes, e a forma como o amor entre dois irmãos de criação (Catherine e Heathcliff) se desenvolve sem ninguém perceber e arrebata o coração de ambos, sem que eles nunca ficassem juntos ou mesmo admitissem esse amor. Eles não são bem irmãos de criação, o Heathcliff sempre é tratado como se fosse um criado, mas o seu amor pela Catherine faz com que ele se tranforme em um homem bruto, arrogante e muito fechado. Ele desaparece por um período, e retorna diferente, rico e com boas maneiras. Mas nesse intervalo a Catherine casou, o que deixa o Heathcliff ainda mais melancólico e bruto... ela faz de tudo prá chamar a atenção dele (ela é mimada e bem merecia uns tapas, na minha opinião), os dois são infelizes e só pensam um no outro, mas aí um monte de coisas acontecem e a história fica amargurada de dar dó.

Só sei que eu terminei o livro me perguntando como é que ele se tornou um clássico, porque, francamente... me desculpem os fãs, mas eu não gostei e não vi nada de mais. Eu já li algumas coisas sobre uma teoria freudiana em cima dessa obra, onde a Catherine seria o ego, o Edgar (marido dela) seria o superego e o Heathcliff seria o id. Dá pano prá manga, mas não acho que seja o caso de eu me aprofundar, hahahaha!

Se eu recomendo? Olha... sim, porque é considerado um "livro-tem-que-ler", e acho importante tirar suas próprias conclusões acerca do hype todo do livro. Mas eu não tenho o menor interesse em ler de novo.

7 comentários:

Karina disse...

Oi Tati que bom que você está postando todo dia, ADORO seu blog!
Já leu o livro "Um dia" o que achou?
Queria muito ter participado da troca de Natal mas qdo vi as iscrições já tinham sido encerradas, sem falta participo da próxima!
Bejos

..:: Tati ::.. disse...

Oi Karina!!! Pois é, eu fico super feliz qdo consigo postar todo dia, ainda mais qdo uma leitora fofa vem me dizer que gosta de ler! Brigada!
O "Um Dia" tá na minha fila de leitura, mas acho que só vou conseguir ler em janeiro, nas férias... tô ansiosa por esse livro, parece ser lindo!
Ano que vem vai ter troca de novo, provavelmente no primeiro semestre! Vou avisar aqui, fica ligada, é uma delícia brincar de troquinha!

Beijão!

gilmara disse...

Olá obrigada pela postagem com essas informaçoes...by

Patricia disse...

Obrigada por partilhar, gostei bastante! :)

Fica a dica já agora, que a brandsclub está com promoções bem interessantes em marcas como Calvin Klein e True Religion.

Beijos

Bela disse...

Aaah, eu tava doidaa pra ler esse livro, mas depois desse seu resumo Tati, me deu uma preguicinha...kkkkk

Kati disse...

vc ja leu o sofrimento do jovem werther? :) nessa linha tb... soh que MTO mais antigo! poe uns 300 anos!

senarose disse...

Eu li esse livro e lembro de ter gostado, mas era adolescente, nem me lembrava direito da história. O livro mais melancólico que li, bom na verdade não consegui terminar porque como você fiquei muito pra baixo com ele, foi o Crime e Castigo, pra mim ele foi pesado.