segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Filmes

Fico feliz que ultimamente assisti uma boa safra de filmes! É terrível assistir filme ruim, e se a gente assiste 2 filmes fracos em seguida, até desanima, né não? Esses quatro filmes são legais, mas cada um com o seu estilo e à sua maneira!














Histórias Cruzadas (The Help) - há bastante tempo que eu não assistia um filme tão bom! É um drama (mas não é tão dramático à ponto de fazer chorar) sobre a segregação racial entre as "madames brancas" e as "empregadas negras" no Mississipi nas décadas de 50/60. As regras eram bem estabelecidas - por lei, inclusive - que negros e brancos não deveriam se misturar: escolas para brancos, escola para negros. Os livros usados pelos negros jamais deveriam ser passados aos brancos, e eles não deveriam usar nem o mesmo banheiro. Não se sentariam à mesa juntos, não usariam os mesmos transportes, e um branco jamais frequentaria a casa de um negro. As empregadas domésticas passavam por situações prá lá de humilhantes, até que uma menina bem "práfrentex" resolveu escrever um livro sobre todas essas situações, e, escondida da sociedade branca, iniciou uma revolução! No geral, o enredo é triste, porque o racismo como pano de fundo não poderia ser diferente, mas tem umas pegadas de comédia ótimas, e alguns detalhes que realmente fazem toda a diferença! Amei e recomendo muito!

Eu Não Sei Como Ela Consegue (I Don't Know How She Does It) - o filme é bem bonitinho, mas não me convenceu muito. O enredo é sobre a realidade de muitas de nós: mãe, esposa, profissional, administradora do lar, vaidosa, mulher, esse monte de papéis que assumimos e precisamos cumprir com esmero, fazendo sabe Deus que tipo de malabarismos... e deixando a peteca cair uma vez ou outra, normal, né. Então o filme mostra bem isso, de que forma a mulher tem que abrir mão de um monte de coisas à cada decisão que toma, porque se viajar à negócios vai perder a apresentação do filho na escola, e se for na reunião da escola vai perder a reunião do trabalho, e o marido quer que ela esteja disposta à noite, e aí o filho pega piolho, tem que organizar o jantar, tem que pintar o cabelo, e ufaaaaaaa, tem que organizar uma apresentação pro trabalho porque o seu chefe vai te avaliar justo no dia em que o seu filho tá com a garganta inflamada... acho que nenhum filme vai conseguir retratar exatamente situações como essas, porque acaba sempre rolando algum exagero, mas o filme é interessante justamente pela tentativa de retratar essa doideira que é tão comum!

Contágio (Contagion) - uma epidemia se espalha rapidamente. Os sintomas são parecidos com o H1N1, mas as probabilidades de morte rápida são bem maiores. Uma mulher volta da Ásia com sintomas de uma gripe forte e morre rapidamente, enquanto um homem no Japão é filmado com os mesmos sintomas, tendo convulsões em um ônibus, morrendo ali mesmo. O vírus vai se espalhando e fazendo vítimas, enquanto uma equipe de cientistas trabalha freneticamente para identificar o vírus e  criar uma vacina. O mais legal é que o filme mostra como o vírus é transmitido com facilidade, como somos vulneráveis! E aí quando  as barreiras estatais se fecham e começam as especulações sobre uma possível cura (e todas aquelas teorias da conspiração), as pessoas perdem as estribeiras e iniciam o caos: saqueiam mercados, sequestram pessoas ligadas ao governo, roubam, matam, quebram farmácias, invadem casas. Quando a vacina é finalmente descoberta e um sistema de vacinação é estabelecido, as coisas vão voltando aos eixos e as pessoas voltam à sua rotina. Achei bem interessante porque acho que é algo bem possível de acontecer #teorias.

Receitas de Amor (Love's Kitchen) - ai que filme bobinho! Super sessão da tarde, práqueles dias em que a gente quer esquecer dos problemas e esvaziar a cabeça assistindo algo que não faça pensar em nada complicado. Um chef conceituado perde a esposa em um acidente e perde o encanto pela profissão, perdendo também o seu prestígio. Mas após um tempo ele resolve retomar os planos que tinha com a esposa e compra um restaurante meio abandonado, resgatando o amor pela culinária e conquistando a clientela. Aí aparece a bela crítica gastronômica que implica com ele, mas acaba se apaixonando, e tem a equipe super unida dele que torna as situações engraçadinhas, a filha dele que é uma gracinha, e aquelas coisinhas todas que fazem as comédias românticas serem tão bobinhas. E apaixonantes!

8 comentários:

Karina disse...

Adorei as indicações!
beijos

Nadja Barros disse...

Já pedi pro sócio e ele está 'agilizando' o Help, se tiver, veremos hoje mesmo!!!

Me diga uma coisa, já começou a ver 'homeland'? se não começou, veja, menina!!!!!!!
bjsssssssssssssssss

..:: Tati ::.. disse...

Nadjinha, essa sua dica já não é de hoje e eu tõ aqui comendo mosca! Vou providenciar!

Karina disse...

Oi Tati qual site vc baixou o filme "Eu não sei como ela consegue"? não encontrei no "achei download.biz"!
Beijos

angela disse...

Também assisti Help, barra pesada, né? Mas é um desses filmes que a gente tem que ver todos os dias pra não esquecer.

Nadja Barros disse...

Tati, olha eu aqui, pidona: onde vc 'achou' o the help? não encontramos! :(
bjs

..:: Tati ::.. disse...

Acho que achei os dois filmes em um site chamado "Tio dos Filmes" ou algo assim, ou no Telona.org, OK garotas?
Besos!

Brigitte disse...

Esse filme The Help já estreou nos cinemas? To louca para assistir!!! dizem que é mto bom mesmo. O ultimo que assisti foi O Albergue III não recomendo dá mto medo e vontade de sair correndo de casa , fico imaginando a crueldade dos seres humanos até que ponto ela pode chegar.